O Psicólogo te ajuda a emagrecer!

A obesidade não merece olhares e comentários de desaprovação, rótulos ou estigmas. Obesidade não é desleixo, preguiça, nem tampouco mera consequência da gula ou falta de força de vontade. Obesidade é doença crônica, que deve ser vista e cuidada com tratamento adequado.

Na tentativa de vencê-la, muitas vezes se buscam tratamentos unidirecionais, que enfocam a perda de peso de forma isolada, e com a ajuda de medicamentos que aumentam a sensação de saciedade, se emagrece. Porém ao atingirem sua meta de peso corpóreo, muitas pessoas tendem por, autonomamente, dar seu tratamento por encerrado e neste momento ocorre com muita frequência a recidiva, a recorrência do quadro de obesidade, muito conhecida como “efeito sanfona”.

Mas por que isto acontece?

Depois de tanto sacrifício e desejos obstinados de alcançar um peso ideal, sonhado, ele novamente se vai, sem chance de permanecer, porque o indivíduo ainda não está preparado para ser o “agente de seu próprio tratamento”. Claramente, busca-se como resultado do quadro de obesidade, a redução do peso. Porém, para que este resultado seja duradouro, é essencial dar-se atenção às causas que vinham desencadeando o quadro de obesidade: causas estas que podem ter origem em fatores metabólicos ou genéticos, mas que frequentemente se relacionam a hábitos alimentares associados a questões emocionais ou psíquicas. A atenção e tratamento a estas causas tem potencial transformador na durabilidade dos resultados de redução de peso. Hoje muito se sabe que o ideal para o tratamento da obesidade é o acompanhamento multidisciplinar, no qual a presença do psicólogo se faz necessária.

A Psicologia atua como ferramenta para ajudar o paciente a desconstruir conceitos errados e construir outras habilidades, assim como para identificar as causas que se transformam em gatilhos para os hábitos alimentares que levam a obesidade.

Para que o tratamento de emagrecimento tenha resultado positivo, é necessário que se reconheça o motivo que provocou as questões que serão tratadas. Qual é a grande “dor oculta”, camuflada pelo Inconsciente, responsável pela conduta desencadeadora dessa busca incessante pelo comer?

É necessário considerar os fatores ambientais, genéticos, culturais, emocionais, hábitos alimentares, sedentarismos e outros mais que compõem o contexto de cada indivíduo. Além de eventual presença de quadros de ansiedade, depressão, ou ainda transtorno da compulsão alimentar e outros, os quais estarão diretamente influenciando no ganho de peso corpóreo. Estas bases precisam ser identificadas e, no acompanhamento psicológico, tratadas, além de pesquisados os gatilhos e ofertadas as ferramentas ao paciente, para ajudá-lo a se relacionar com os alimentos.

A Psicologia vai contribuir para que a comida, pensamentos e sentimentos sejam colocados em seus devidos lugares.

Equipe de Psicologia do IMO Hospital – em 01/03/2021.