Fome! Como sabemos se o que ingerimos foi o suficiente?

De forma bastante genérica, pode-se dizer que possuímos dois sistemas, um quantitativo e qualitativo, que regulam aquilo que comemos.

Pense no estômago como um recipiente e volume limitado. Por ele devem passar todos os alimentos pra se iniciar o processo digestivo e chegar ao sangue.

Quando comemos, a forma de avaliar a quantidade de alimentos ingerida se dá pela ocupação física do estômago, mecanismo este que recebe vários nomes, como plenitude gástrica ou saciedade, independente da avaliação do que foi consumido. O resultado deste processo é que, tão logo este volume tenha deixado o estômago podemos ter novamente a sensação de fome.

Outro ponto importante envolvido é que o estômago é um músculo, podendo aumentar de tamanho conforme os volumes ingeridos também aumentam. Com o passar do tempo, o consumo energético é maior e acabamos por acostumar com quantidade maior do que a que realmente precisamos.

Então, vamos pensar juntos: para emagrecer, preciso gastar mais que consumo, certo?! Se 100 gr de frutas tem cerca de 160 kcal e 100 gr de chocolate temos cerca de 500 kcal, qual vale mais a pena?

Pense que o preenchimento físico é o mesmo. Consumir somente 160 kcal é melhor, não é mesmo!?

Desta forma é melhor sempre pensar na qualidade do alimento, principalmente se levarmos em consideração em uso do balão intragástrico cujo espaço estomacal está ocupado.

Então o que você vai almoçar hoje? Salada com proteínas ou 01 sanduíche com bacon? Pense bem! Pense certo!

Equipe de Nutrição Hospital IMO