COVID-19: Obesos têm mais riscos de desenvolver forma grave da doença

Pesquisa realizada pela Unicamp mostra que pessoas com excesso de peso apresentam maior carga viral da doença, em função da elevada quantidade de tecido adiposo em seus organismos

Além de possuírem maior probabilidade de desenvolverem doenças crônicas, como hipertensão e diabetes (que, isoladamente, já são fatores de risco para a COVID-19), pessoas com obesidade ou sobrepeso têm se mostrado mais propensas à infecção pelo novo Coronavírus.

É o que aponta um estudo recente realizado por pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Ele mostra que pacientes com excesso de peso ou obesidade, contaminados pelo novo Coronavírus, tendem a desenvolver quadros clínicos mais graves de COVID-19.

Isso porque, segundo a pesquisa, o Sars-Cov-2 pode ser capaz de infectar o tecido adiposo por causa da maior quantidade e tamanho de adipócitos no organismo de pessoas acima do peso. Além disso, foi observado que o vírus é capaz de infectar melhor as células adiposas do que as epiteliais do intestino ou do pulmão.

Sabe-se que em pessoas obesas ou com excesso de peso as células adiposas são maiores, o que propicia uma maior replicação viral, pois o vírus consegue entrar na célula adiposa e se multiplicar. Ao ter maior carga viral, as chances de que a doença se agrave são maiores, ocasionando sintomas, também, mais graves, como insuficiência respiratória.

Pacientes contaminados pela COVID-19, e em processo de recuperação, podem desenvolver respostas no sistema nervoso central e mudanças de humor. Devido à gravidade proporcionada pela quantidade e tamanho dos adipócitos, pacientes obesos infectados podem vir a apresentar demais alterações, ainda não percebidas e/ou analisadas.

O estudo aponta que não há evidências se, após a replicação, o vírus sai dos adipócitos e se desloca em direção às demais células, a fim de contaminá-las. Ele ainda precisa de conclusões, mas é importante saber que o paciente obeso vai ter uma carga viral maior que os pacientes de percentual de gordura mais baixa.

Devido ao resultado inconclusivo quanto a saída do Sars-Cov-2 da célula adiposa, o tratamento destinado à cura da doença pode ser mais demorado e dificultado.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Referências:

Jornal Estado de Minas https://www.em.com.br/app/noticia/bem-viver/2020/07/13/interna_bem_viver,1166478/covid-19-obesos-tem-mais-riscos-de-desenvolver-forma-grave-da-doenca.shtml

Agência FAPESP

http://agencia.fapesp.br/estudo-sugere-que-tecido-adiposo-pode-servir-de-reservatorio-para-o-novo-coronavirus/33612/